A PAIXÃO PELA ESTRADA É HERANÇA DE FAMÍLIA

A PAIXÃO PELA ESTRADA É HERANÇA DE FAMÍLIA

Neu Spatti (José Irineu Spatti, conhecido como “Comanche” na rede PX) tem uma história de estrada recheada de recordações, algumas boas, outras nem tanto. Uma história de paixão pela liberdade de ser dono do seu próprio destino

100_0369a

“Meu pai era caminhoneiro e sempre transportou cana. Então, desde criança a minha vontade era seguir os passos dele. Um dia o destino acabou nos levando pra roça, fazer plantação de milho, arroz e feijão. Mas, meu sonho de ser caminhoneiro, de ter o meu caminhão, nunca morreu. E consegui realizar. Hoje tudo o que eu tenho, uma casa e uma família formada, conquistei graças ao caminhão.

Aprendi a dirigir num jipe 48 e comecei na estrada em 1977 transportando cana, igual meu pai, com um Chevrolet 76, no toco. Foi na Usina São João, em Araras. Meu tio me deu a oportunidade de mudar de vida e eu aproveitei. Nessa época eu trabalhava na roça com meu pai, era uma família grande, quinze irmãos, e eu fui o primeiro a sair da roça e passei a transportar cana como motorista profissional. Fiquei na Usina São João durante vinte e uma safras transportando cana e nas entressafras fazia transporte para o Brasil inteiro. 

Como carreteiro, foi a partir de 1979 que comecei transportando cimento, minério de níquel, cargas variadas. E em 1988 dei por encerrada a minha vida de estradeiro. Mas, tenho muita história pra contar desse tempo vivido na boleia. Foram muitas alegrias, muito mais alegrias do que sofrimento, numa época em que se ganhava dinheiro, hoje, não. Hoje está muito difícil para a classe, defendo com unhas e dentes a classe dos caminhoneiros – eu ainda me considero parte integrante dessa classe – mas, a vida está cada dia mais difícil pro caminhoneiro.

Das lembranças boas que ficaram tem a história de um socorro que prestei para um amigo uma vez. Ficamos três dias na estrada nessa aventura. A gente estava indo pra João Pessoa, na Paraíba, ele dormiu na direção, entrou com o caminhão pelo cerrado adentro. A hélice amassou toda a colmeia do radiador e tivemos que consertar improvisando com durepoxi. Eu, meu amigo Osmar e seu filho levamos três dias pra conseguir terminar o “conserto”. Infelizmente hoje os dois já não estão mais entre nós. Essa é uma história que eu me orgulho de contar porque eu fiquei três dias dando suporte tanto na alimentação quanto suporte técnico pra eles na estrada.

Outra história que marcou aconteceu em 1984 eu fiquei vinte e oito dias fora de casa. Na verdade, não foi bem uma viagem, foi uma estadia que eu fiquei no Paraná trabalhando no transporte de milho a granel. Então, ficar vinte e oito dias fora de casa com uma filha pequena e longe da família foi muito difícil. Foi a viagem mais longa que eu fiz, a que me deixou mais tempo longe de casa.

Também tive momentos difíceis na estrada, já corri de ladrão indo pra Belém, já socorri um ônibus que estava transportando um time de futebol e se envolveu num acidente em Goiatuba com um caminhão que vinha de Belém carregado de madeira. Foi uma situação bem complicada porque três jogadores morreram na cabine do meu caminhão. Eles tinham ido inaugurar uma praça de esportes em Morrinhos. Essa foi uma viagem que me deixou muito triste.

A viagem mais complicada foi uma que eu fiz transportando algodão lá do Paraná pra Leme, em São Paulo. Foi complicada por que eu fiz a viagem inteira sem embreagem Uma carga alta, de pluma de algodão, chovendo e eu sem embreagem nenhuma. Garanto pra vocês que foi um sufoco danado, mas consegui chegar em segurança, sem sofrer nenhum acidente. O maior percurso que eu já percorri numa viagem foi a rota São Paulo-Belém, uma viagem que fiz muitas vezes.

Depois que parei de viajar continuei em contato com a vida de caminhoneiro atendendo os colegas da estrada na manutenção dos seus equipamentos de radiocomunicação PX, uma ferramenta muito útil pra quem muitas vezes depende de um apoio, de um socorro ou até mesmo precisa mandar um recado pra família e dizer se está tudo bem. Tenho uma oficina bem aparelhada para fazer esse trabalho e clientes e amigos em todas as estradas. Não posso reclamar da minha vida!”.

Anúncios
Esse post foi publicado em Vida na Estrada. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s