ANCELMO, TRAGA MEUS CHINELOS

download

– Ancelmo, traga meus chinelos!

– Mas, “sêo” Edú, o quê é “chinelos”?

– Você não sabe o que é chinelos?

– Não sinhô. Conheço chinelo, mas “chinelos”, não.

– Criatura, sabe contar? Vamos lá, um “chinelo”, dois “chinelos”, entendeu? “Chinelos” quer dizer dois chinelos, um par, entendeu, ô batráquio, ou preciso desenhar?

– Hum, “tendi”, “chinelos” quer dizer dois “chinelo”, um par de “chinelo”! BINGO! “Tendi”!!!  Xácumigo, “sêo” Edu, seu par de “chinelo” já está vindo.

O ANCELMO TROUXE OS DOIS “CHINELO”. DOIS “PÉ DIREITO”!

Publicado em Minicontos | Marcado com , , | Deixe um comentário

A PAIXÃO PELA ESTRADA É HERANÇA DE FAMÍLIA

A PAIXÃO PELA ESTRADA É HERANÇA DE FAMÍLIA

Neu Spatti (José Irineu Spatti, conhecido como “Comanche” na rede PX) tem uma história de estrada recheada de recordações, algumas boas, outras nem tanto. Uma história de paixão pela liberdade de ser dono do seu próprio destino

100_0369a

“Meu pai era caminhoneiro e sempre transportou cana. Então, desde criança a minha vontade era seguir os passos dele. Um dia o destino acabou nos levando pra roça, fazer plantação de milho, arroz e feijão. Mas, meu sonho de ser caminhoneiro, de ter o meu caminhão, nunca morreu. E consegui realizar. Hoje tudo o que eu tenho, uma casa e uma família formada, conquistei graças ao caminhão.

Aprendi a dirigir num jipe 48 e comecei na estrada em 1977 transportando cana, igual meu pai, com um Chevrolet 76, no toco. Foi na Usina São João, em Araras. Meu tio me deu a oportunidade de mudar de vida e eu aproveitei. Nessa época eu trabalhava na roça com meu pai, era uma família grande, quinze irmãos, e eu fui o primeiro a sair da roça e passei a transportar cana como motorista profissional. Fiquei na Usina São João durante vinte e uma safras transportando cana e nas entressafras fazia transporte para o Brasil inteiro. 

Como carreteiro, foi a partir de 1979 que comecei transportando cimento, minério de níquel, cargas variadas. E em 1988 dei por encerrada a minha vida de estradeiro. Mas, tenho muita história pra contar desse tempo vivido na boleia. Foram muitas alegrias, muito mais alegrias do que sofrimento, numa época em que se ganhava dinheiro, hoje, não. Hoje está muito difícil para a classe, defendo com unhas e dentes a classe dos caminhoneiros – eu ainda me considero parte integrante dessa classe – mas, a vida está cada dia mais difícil pro caminhoneiro.

Das lembranças boas que ficaram tem a história de um socorro que prestei para um amigo uma vez. Ficamos três dias na estrada nessa aventura. A gente estava indo pra João Pessoa, na Paraíba, ele dormiu na direção, entrou com o caminhão pelo cerrado adentro. A hélice amassou toda a colmeia do radiador e tivemos que consertar improvisando com durepoxi. Eu, meu amigo Osmar e seu filho levamos três dias pra conseguir terminar o “conserto”. Infelizmente hoje os dois já não estão mais entre nós. Essa é uma história que eu me orgulho de contar porque eu fiquei três dias dando suporte tanto na alimentação quanto suporte técnico pra eles na estrada.

Outra história que marcou aconteceu em 1984 eu fiquei vinte e oito dias fora de casa. Na verdade, não foi bem uma viagem, foi uma estadia que eu fiquei no Paraná trabalhando no transporte de milho a granel. Então, ficar vinte e oito dias fora de casa com uma filha pequena e longe da família foi muito difícil. Foi a viagem mais longa que eu fiz, a que me deixou mais tempo longe de casa.

Também tive momentos difíceis na estrada, já corri de ladrão indo pra Belém, já socorri um ônibus que estava transportando um time de futebol e se envolveu num acidente em Goiatuba com um caminhão que vinha de Belém carregado de madeira. Foi uma situação bem complicada porque três jogadores morreram na cabine do meu caminhão. Eles tinham ido inaugurar uma praça de esportes em Morrinhos. Essa foi uma viagem que me deixou muito triste.

A viagem mais complicada foi uma que eu fiz transportando algodão lá do Paraná pra Leme, em São Paulo. Foi complicada por que eu fiz a viagem inteira sem embreagem Uma carga alta, de pluma de algodão, chovendo e eu sem embreagem nenhuma. Garanto pra vocês que foi um sufoco danado, mas consegui chegar em segurança, sem sofrer nenhum acidente. O maior percurso que eu já percorri numa viagem foi a rota São Paulo-Belém, uma viagem que fiz muitas vezes.

Depois que parei de viajar continuei em contato com a vida de caminhoneiro atendendo os colegas da estrada na manutenção dos seus equipamentos de radiocomunicação PX, uma ferramenta muito útil pra quem muitas vezes depende de um apoio, de um socorro ou até mesmo precisa mandar um recado pra família e dizer se está tudo bem. Tenho uma oficina bem aparelhada para fazer esse trabalho e clientes e amigos em todas as estradas. Não posso reclamar da minha vida!”.

Publicado em Vida na Estrada | Deixe um comentário

FL(C)ORES

img_1568aUm dia
você vai
descobrir
todas as
fl(c)ores
que eu
deixei
escondidas
debaixo
do seu
travesseiro!

Publicado em Livro livre | Deixe um comentário

Cântico Negro

Aturdido

“Vem por aqui” – dizem-me alguns com olhos doces,
Estendendo-me os braços, e seguros
De que seria bom que eu os ouvisse
Quando me dizem: “vem por aqui”!
Eu olhos-os com olhos lassos,
(Há, nos meus olhos, ironias e cansaços)
E cruzo os braços,
E nunca vou por ali…
A minha glória é esta:
Criar desumanidade!
Não acompanhar ninguém.
– Que eu vivo com o mesmo sem-vontade
Com que rasguei o ventre à minha Mãe.

Não, não vou por aí! Só vou por onde
Me levam os meus próprios passos…
Se ao que busco saber nenhum de vós responde,
Por que me repetis: “vem por aqui”?
Prefiro escorregar nos becos lamacentos,
Redemoinhar aos ventos,
Como farrapos, arrastar os pés sangrentos,
A ir por aí…
Se vim ao mundo, foi
Só para desflorar florestas virgens,
E desenhar meus próprios pés na areia inexplorada!
O mais que faço não vale nada.

Como…

Ver o post original 184 mais palavras

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

E fui…

E FUI… (um samba de breque)17382_513801558678621_1292728305_n

Estava eu caminhando
calmamente pela calçada
dando uma boa talagada
no gargalo
da minha garrafa
de rabo-de-galo,
quando ele apareceu, se aproximou
pra me dar uma dura.

Carinha de menino bom,
terno e gravata
(pura bravata!)
cara de pastor da igreja universal,
bíblia na mão, sério,
foi dizendo:
“-Que vergonha, meu “tio”, bebendo na rua!!!”

Tomei mais um gole,
limpei o canto da boca
e o pigarro do gogó,
olhei no fundo dos olhos dele
e falei:

“-Não minino!, não estou
bebendo na rua,
estou bebendo na garrafa.
Se estivesse bebendo na rua,
estaria de quatro, rastejando
e lambendo o chão,
igualzinho a você
lambendo a sola do sapato
DO SEU PATRÃO!!!!!!!!!!!!!

(breque)

E Fui…

Publicado em Livro livre | Deixe um comentário

QUE BICHO QUE DEU?

Jogo_Bicho

         Estavam os dois com a barriga encostada no balcão de mármore, antigo e encardido de tantas histórias vividas, bebericando uma pinguinha antes de ir pra casa dormir. Já passava das onze da noite e os olhos estavam pesados. Meio embaçados.

– Cê sabe que bicho que deu hoje na paratodos?

– Na petê eu não sei, não, só vi o resultado da peteene.

– Que bicho que deu?

– Só deu bicho que gosta de dar: viado na cabeça e borboleta em segundo.

– Uma dupla de respeito.

– E repetiram – deu viado no terceiro e borboleta no quarto.

– Cê tá brincando?

– Vá conferir.

– Como é que pode?

– Sei lá. E pior ainda foi a seqüência que eles vieram: viado em primeiro com 96 e borboleta em segundo com 15. Depois, viado em terceiro com 95 e borboleta em quarto com 14. Quem aposta numa seqüência ou numa repetição dessas?

– Acho que nem o bicheiro.

– Aliás, eu nunca jogo. Meu dinheiro é ganho suado pra ficar sustentando bicheiro.

– Nunca jogou?

– Não vou dizer que não. Já apostei algumas vezes. Na loteria, no bicho, não.

– E qual é a diferença?

– Sei lá. Na loteria tem uma parte do dinheiro que vai ajudar projetos sociais do governo. No bicho é só bicheiro que leva vantagem.

– Mas, tem bicheiro que ajuda escola de samba, creche, time de futebol…

– Isso é pura enganação. É lavagem de dinheiro. Do montão de dinheiro que eles ganham todos os dias. De pouquinho em pouquinho, enchem o papo.

– Mas, essa história de projetos sociais do governo também é pura mentira. O dinheiro vai é pro bolso de algum deputado atravessador. E ninguém fica sabendo de nada.

– É, também acho. Mais uma razão pra eu não gostar de apostar. Só se tivesse certeza de que ia ganhar. Mas, quem garante?

– Eu acho que no bicho você tem mais chances.

– No bicho, o único que tem todas as chances é o bicheiro: você pagou a aposta, já era. Dê o bicho que der, o dele já está garantido. E saiu do seu bolso direto pro dele. Sem escalas.

– Mas, quando alguém ganha, eles pagam direitinho, em dinheiro, tendo como comprovante da sua aposta só um papelzinho escrito à mão e sem valor legal nenhum, nem de nota fiscal.

– E quem garante que eles não manipulam os resultados?

– Como assim?

– Essa seqüência de ontem, por exemplo, viado-borboleta-viado-borboleta. Cê acha isso normal?

– Ah!. Sei lá.

– Quem faz esse sorteio dos números?

– Não sei.

– ‘Tá vendo?… Ninguém sabe! Todo mundo só fica sabendo os resultados que eles divulgam todos os dias, também em papeizinhos que não valem nada. E todo mundo que jogou acredita neles. Quem garante que esses resultados não foram combinados entre os bicheiros por serem os números menos jogados. Pra diminuir a chance de alguns acertarem?

– Agora acho que você já está exagerando! Resultado combinado entre eles? Cê acha que bicheiro é amigo de bicheiro?

– O que eu acho é que todo mundo tem que ser amigo dos que pertencem ao seu círculo social, ao meio que frequentam e onde atuam. Banqueiro é amigo de banqueiro e não de bancário.

– Isso é verdade!

– E político é amigo de político, polícia é amigo de polícia e bandido é amigo de bandido. É assim que funciona. É o que eles chamam de corporativismo. Todo mundo que faz a mesma coisa tem que se unir para fortalecer a classe. Tanto isso é verdade que o tal mensalão é coisa só pra deputado. Sabe o que é mensalão? É o “calaboca” que todos eles recebem por mês só pra apoiar os projetos do governo, sejam esses deputados de que partido forem.

– Mas, nós começamos conversando do jogo do bicho e acabamos chegando na política. Não gosto de falar desse assunto. Não entendo.

– De política não precisa entender pra falar. É só ver o que está acontecendo e comentar. Só dá semvergonhice.

– Acho que isso é em todo lugar. Até nas igrejas, tem.

– O quê?

– Semvergonhice.

– Porque que você está falando isso?

– Porque estou com um problema sério lá em casa por causa de uma igreja aí, dessas evangélicas.

– Mas, o que é que está acontecendo?

– Minha mulher se “converteu”!

– E isso não é bom?

– Cê acha que é bom ter uma mulher em casa que não quer mais dar pra você só porque o pastor diz que é pecado e que só pode trepar pra fazer filho!

– Quéisso?

– Quéisso? Quéisso? É isso aí mesmo que eu falei. Minha mulher não quer mais saber de nada na cama depois que passou a frequentar essa tal igreja aí. Diz que está na Bíblia.

– E como é que você está se virando?

– Na punheta, né?

– Quéisso?

– É isso mesmo, de novo. Vou ficar segurando?

– Que situação!

– E tem mais ainda.

– Tem mais ainda?

– Tem. Os caras estão tomando todo o dinheiro dela. Não pode aparece por lá com algum na bolsa, que os caras tomam.

– De que jeito? Na mão grande?

– Não, trouxa, na manha, na lábia. “Irmãzinha, nós estamos precisando de uma doação para o caixa da igreja, temos tantas despesas, socorremos tanta gente, aliviamos tanto sofrimento, mas para fazer tudo isso precisamos da sua ajuda”. E a tonta abre a carteira e deixa tudo o que tem. Não dá mais pra deixar dinheiro na mão dela.

– E as compras?

– Faço eu. Vou ao supermercado, compro o que está precisando e pronto. Levo pra casa e está acabado. Não tem mais dinheiro na mãozinha dela, não. Senão vai tudo pra igreja. São uns descarados, chamam de “contribuição”, “dízimo”…

– Já ouvi falar.

– E eu estou sentindo na pele o que é que essa palavrinha quer dizer: dízimo – “quanto é que o irmãozinho tem aí no bolso? Nós precisamos da metade!…”

– Rsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrs

– É mermão, você ri? Mas, quem tá esquentando a cabeça sou eu, véio. Os caras colocam minha mulher contra mim e ainda querem meu dinheiro! São tantos anos de casados já, mais de vinte eu acho, e agora me acontece isso. As crianças é que não podem sofrer. Preciso engolir em seco e administrar a coisa toda. E ainda tenho que trabalhar, produzir durante o dia, senão o dindim não entra. E as contas não param de chegar, cada vez maiores. E prazer? Só no cinco contra um. Só ficando doido pra aguentar. Dá mais uma aí, ô Papai Noel. Vai mais uma?

– Não, pra mim chega. Vou pra casa dormir.

– Toma mais uma!

– Também não precisava insistir tanto, né? Bota mais uma aí, Noel.

– Pois então, a situação, como dizia minha finada mãe, “não está pra peixe… pequeno”.

– Pros tubarão continua tudo igual.

– Pros tubarão e pros pastores das igrejas, os enganadores de trouxas.

– O jeito é arriscar uma fezinha no bicho.

– Ué? Cê não falou que não jogava?

– Isso foi antes de tomar essas quatro, né?

– Já tomamos quatro?

– Cada um.

– Nossa, preciso ir embora! Daqui a pouco não tem mais ônibus pra minha casa.

– E tem ônibus que vai pra casa de alguém?

– Engraçadinho. “Ônibus pra minha casa” é jeito de dizer, né, seu xarope.

– Rsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrs

– Vamos nessa?

– Vamb’ora.

– Então, mata aí.

Gole. Pagaram, desencostaram as barrigas do balcão e saíram pra noite, cada um pisando seu próprio caminho.

– Boa noite, Noel.

– Até amanhã, Noel.

O dono do boteco desabafou por trás da sua longa barba branca:

– Ora, vão se fuder…, isso é vida? Já passa da meia-noite e eu aqui atrás deste balcão imundo aguentando histórias de bêbados só por causa de oito doses de cachaça! Ainda se fosse de uísque!

Publicado em Livro livre | Deixe um comentário

Com Passos

Para
fusos,
horários!

Publicado em Livro livre | Deixe um comentário